O encontro

Ana Paula fazia cerâmica utilitária há mais de 30 anos, como hobby. Engenheira e empresária de TI, acalentou durante muito tempo o desejo de dedicar-se integralmente a essa arte. Enquanto isso ainda não era possível, o dom de transformar o barro em lindas peças de mesa e cozinha, permaneceu “sous le manteau”, sob o casaco, em francês, expressão que deu nome à sua cerâmica.

Quando finalmente mudou de atividade, assumiu como profissão. Concretizou seu sonho em Gonçalves, Minas Gerais, num atelier rodeado de belas montanhas e muito verde. No atelier são criadas e produzidas as peças que depois são expostas na loja "Sous le Manteau" da pequena cidade serrana mineira.

As criações de formas irregulares e orgânicas, imitam a natureza, tão harmoniosa e equilibrada em suas curvas e assimetrias.

A cerâmica é um esforço diário, um exercício de humildade e paciência. O processo de fabricação tem muitas etapas com alto risco de perdas em cada uma. A argila é preparada, moldada, queimada, esmaltada e novamente queimada, envolvendo vários dias em cada etapa. 

Ana Paula transita por diferentes técnicas e estilos - modelagem manual, placas, torno, barbotina... acabamento vidrado com decoração sob ou sobre-esmalte, engobe, corda seca, esgrafito, tudo em grés, para alta temperatura.

Estuda, experimenta e fabrica, apaixonadamente, os próprios esmaltes.

Aprendeu muito com suas mestras, as ceramistas Alice Yamamura, Vera Barrionuevo Costa e Flavia Vanderlinde.

O maior desejo de Ana Paula é que cada peça de cerâmica que entre em uma casa, vá para a mesa e represente um encontro. Que atraia e faça parte de momentos de carinho, entre amigos, entre casais, com a família...de uma pessoa consigo mesma. Que esteja presente entre pessoas que se querem, com as delicadezas da amizade que fazem a vida valer a pena!

Foi através da cerâmica que Ana Paula encontrou-se, juntou suas partes. Colocadas em um único forno, queimam até hoje em alta temperatura.

SLMLogosSecundarios-15.jpg